Caminho de Fisterra-Muxía

Camino de Fisterra-Muxía
Caminho de Fisterra-Muxía

A peregrinación jacobea como tal conclui na cidade de Santiago de Compostela. No entanto, quase desde a descoberta do sepulcro do apóstol Santiago (s. IX) no que hoje é a urbe compostelana, muitos peregrinos decidiam prolongar sua viagem à Costa dá Morte (“Costa da Morte”), na zona mais ocidental de Galiza, em frente às bravas águas do oceano Atlántico.

A razão desta tradição obedece a vários motivos, todos diferentes, mas todos relacionables, e seu resultado é o que se conhece como o Caminho de Fisterra-Muxía. A Costa dá Morte era para os antigos –e assim foi até o final da Idade Média– o último reduto da terra conhecida, a ponta ocidental da Europa continental, o trecho final de um itinerario marcado no céu pela Via Láctea, um espaço mítico-simbólico que tinha na impressionante mole do cabo Fisterra (“Finisterre”) sua parte mais extrema.

Era um lugar carregado de todo o tipo de crenças e ritos paganos no que os romanos (s. II a.C.) se sobrecogieron ao ver ao enorme sol desaparecer entre as águas.

Novembro 2007
lugar
Lugar
Núm. de estapas
Dia
Longitud
Longitude
Desnivel Positivo
Desnivel Desnivel Positivo
Desnivel Negativo
Desnivel Desnivel Negativo
Dificultad
Dificuldade
Tipo de ruta
Tipo rota
A Corunha 4 118 Km. 1000 m. 1000 m. Média Recorrido Solo de Ida
Novembro 2007
lugar
Lugar
Núm. de estapas
Dia
Longitud
Longitude
A Corunha 4 118 Km.
Desnivel Positivo
Desnivel Desnivel Positivo
Desnivel Negativo
Desnivel Desnivel Negativo
Dificultad
Dificuldade
Tipo de ruta
Tipo rota
1000 m. 1000 m. Média Recorrido Solo de Ida