San Lorenzo

San Lorenzo
San Lorenzo

O bico de San Lorenzo com seus 2.271 metro de altitude é o monte mais alto de comunidade autónoma da Rioja e o segundo mas alto do Sistema Ibério depois do Moncayo.

Faz parte da Serra da Demanda e existem dois típicos acessos a este bico: a primeira que ascende desde a população de Ezcaray e a segunda  que ascende desde o conhecido município de San Millán da Cogolla.

Nós nos decantamos por esta segunda opção, já que a primeira ascende practicamente pelas Pistas de esqui de Valdzcaray.

A segunda opção, ademas de ascender ao bico mas alto da Rioja, permite-nos visitar San Millán da Cogolla com suas duas emblmáticos monásterios: O Monasterio de Yuso e o Monasterio de Suso.

O Monasterio de San Millán de Suso ou Monasterio de Suso («suso» significa «acima» em castelhano) faz parte do conjunto monumental de dois monasterios, com outro construído posteriormente e que se situa mais abaixo, chamado Monasterio de San Millán de Yuso, os dois declarados Património da Humanidade.

Nos primeiros tempos da chegada dos visigodos à Península, retirou-se a este lugar apartado e recóndito o anacoreta Aemilianus (Millán), filho de um pastor. Aqui viveu como ermitaño, cobijado em uma pequena cela, morrendo à idade de 101 ano e sendo enterrado em uma tumba escavada na rocha.

O pequeno monasterio de Suso construiu-se ao redor da cela rupestre do ermitaño. Em uma primeira etapa (século V e princípio do VI) escavam-se gruta aproveitando oquedades do terreno, as quais se distribuem em dois nível destinadas a habitação, e outras duas a oratorio, onde actualmente se situam o cenotafio de San Millán e o osario.

O Real Monasterio de San Millán de Yuso (yuso significava «abaixo» em castelhano antigo) foi mandado construir no ano 1053 pelo rei navarro García Sánchez III de Navarra. A história de sua fundação vai unida a uma lenda baseada em um milagre de san Millán. O rei García era muito devoto de San Millán. Como acabava de fundar o grande monasterio de Santa María a Real de Nájera nesta cidade que era Corte do reino, quis se levar ali os restos mortais do Santo, que estavam enterrados no monasterio de San Millán de Suso. O 29 de maio de 1053 colocaram os restos do Santo em uma carreta atirada por boi e assim empreenderam a viagem, com grande descontentamento dos monges que ali ficavam desolados pela perda de seu patrão. Quando chegaram ao plano, cerca do rio, os bois se detiveram e já não quiseram voltar a andar; não teve forma de lhes obrigar. O rei e toda a comitiva compreenderam que aquilo era um milagre, que San Millán estava a impor sua vontade de não passar de ali e ser enterrado de novo naqueles lugares. Foi então quando o rei mandou construir o recente monasterio, ao que se chamou Yuso (abaixo), em contraposição com o de acima (Suso).

A importância deste enclave, principalmente o monasterio de Suso, não é só artística e religiosa, senão também linguística e literária. Aqui, um monge escreveu as Glosas Emilianenses, que eram anotações aclaratorias nas margens das páginas escritas em latín. Ditas anotações estavam escritas em romance ou em um precastellano pouco evoluído respecto do latín. Neste monasterio aparecem a sua vez as primeiras anotações escritas em euskera, pelo que se considerou o berço de ditos romances hispanos e do euskera. Aqui habitou assim mesmo o monge e primeiro poeta de nome conhecido em castelhano, Gonzalo de Berceo.

Junho 2010
lugar
Lugar
Núm. de estapas
Dia
Longitud
Longitude
Desnivel Positivo
Desnivel Desnivel Positivo
Desnivel Negativo
Desnivel Desnivel Negativo
Dificultad
Dificuldade
Tipo de ruta
Tipo rota
A Rioja 1 20 Km. 1220 m. 1220 m. Fácil Recorrido de Ida y Vuelta
Junho 2010
lugar
Lugar
Núm. de estapas
Dia
Longitud
Longitude
A Rioja 1 20 Km.
Desnivel Positivo
Desnivel Desnivel Positivo
Desnivel Negativo
Desnivel Desnivel Negativo
Dificultad
Dificuldade
Tipo de ruta
Tipo rota
1220 m. 1220 m. Fácil Recorrido de Ida y Vuelta